sábado, 9 de julho de 2011


 

AMPHICAR – CARRO ANFÍBIO (1961-1968)


O Amphicar roda sem problemas pelas ruas e estradas e não embaraça na hora de enfrentar a água (rio, lago ou represa). Tem capacidade para quatro pessoas e alguma bagagem.
Estavam ainda em fase de teste, quando três deles atravessaram o Canal da Mancha, debaixo de uma tempestade, o que comprovou sua segurança.
Em matéria de técnica, o Amphicar não tem nada de excepcional. É apenas um carro bem planejado: motor inglês Triumph S4 de 1.147cm3 e 43HP a 4500RPM, colocado na traseira, com tração nas rodas de trás. Só havia o modelo conversível. Era oferecido em quatro cores: Beach White, Regatta Red, Lagoon Blue and Fjord Green (Aqua).
Uma caixa de transferência parecida com a dos jipes se incumbe de fazer funcionar duas hélices de nylon que o Amphicar leva fixas, na traseira. Dar marcha à ré dentro d’água também não é problema, pois a caixa permite a reversão.
A suspensão  do Amphicar é independente nas quatro rodas, com molas helicoidais e amortecedores telescópicos reguláveis. O eixo traseiro é oscilante. Mas, ao contrário do que se espera, a suspensão não é macia nem proporciona segurança nas curvas em alta velocidade. A explicação é simples: por causa das hélices e também para facilitar as entradas e saídas na água, o Amphicar é bastante alto, com centro de gravidade elevado. Por isso, a suspensão tem de ser rígida, para evitar batidas no momento de manobrar à beira da água.
Apesar disso, depois de se acostumar com o carro, o motorista nem percebe que está guiando um anfíbio.
Água não entra. Por baixo do chassi existe uma plataforma que lembra o fundo de um barco e que proporciona vedação perfeita.
As rodas saem desse casco, como acontece com os eixos das hélices nas embarcações.
O Amphicar não usa leme: as rodas dianteiras desempenham o papel com precisão surpreendente. As portas fecham contra borrachas de vedação e têm um trinco suplementar de pressão, que precisa ser usado antes de se entrar na água. Se, por algum motivo o carro começar a fazer água, é só apertar um botão no painel, que uma bomba elétrica de grande capacidade devolve o líquido para fora.

As chapas de aço da carroceria passam por tratamento especial que evita a ferrugem. Quando a navegação for em água salgada, a única recomendação especial é lavar bem o veículo depois do passeio.
Para sair da água, é preciso fazer tudo ao contrário. Ao chegar à rampa, quando as rodas começarem a tocar no fundo, basta desligar as hélices e engatar a primeira e acelerar.
Os freios funcionam com razoável eficiência (mesmo depois do banho). Com algumas freadas volta tudo ao normal.
O carro em terra pode ser considerado um automóvel com todas as letras. Tem assentos e encostos dianteiros reguláveis, acomoda quatro pessoas com bastante folga e é facilmente “guiado”. Chega a lembrar um pouco o Volkswagen, nesse aspecto.
Quem dirige o Amphicar pela primeira vez estranha bastante as relações entre as marchas, que são curtíssimas.
Na hora de correr, é bom usar pouco as marchas, pois acabam logo. Tem velocidade máxima aproximada de 120km/h.
Em matéria de equipamento o Amphicar é bom. Além da bomba de água, dispõe de lavador de pára-brisa, luzes de navegação, relógio elétrico, velocímetro e odômetro. Luzes indicam a pressão do óleo, facho alto dos faróis, pisca-pisca, ignição e bom funcionamento das hélices. Dispõe também de cinzeiro, acendedor de cigarros e aquecimento interno (o que é um exagero num carro conversível feito para andar na água). Um acelerador manual permite descansar o pé direito na hora de navegar, quando é preciso manter regimes constantes de rotações, cujo máximo corresponde a 16km/h.
O Amphicar é um carro de desempenho bastante razoável tanto em terra como na água. De construção simples, robusta, linhas agradáveis, oferece conforto como automóvel. Manutenção relativamente fácil (mecânica Triumph).
Um dos inconvenientes era o seu preço, que era alto. Foram produzidas um total de apenas 800 unidades de 1961 a 1968.



Para navegar, é suficiente empurrar para a frente o comando conversor


Se entrar água por um motivo qualquer, basta apertar um botão no painel que a bomba se encarrega do resto


1961 - Protótipo Alligator

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário